Secretaria de Cultura de São Caetano do Sul Prefeitura de São Caetano do Sul
Fundação das Artes

Música
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Mari Maziero
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos:
Clique aqui para ampliar
créditos: Mari Maziero
Clique aqui para ampliar
créditos: Mari Maziero
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari
Clique aqui para ampliar
créditos: Ana Paula Lazari

Referência nacional no ensino de música há décadas, a Escola de Música da Fundação das Artes oferece cursos de alta qualidade, ministrados por artistas estudiosos da área (vários com títulos de Especialista, Mestre ou Doutor), em aulas que contam com o rigor que a plena realização da formação musical exige.

A Escola desenvolve um processo contínuo de avaliação para verificar o andamento do aluno, face aos objetivos propostos, com preponderância dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos (porém sem desrespeitar o conteúdo programático), dando especial atenção aos aspectos de compreensão da matéria, qualidade e apresentação dos trabalhos, em que serão considerados rendimento escolar e assiduidade.

Os estágios supervisionados, referentes aos Cursos Técnicos em Canto e Técnico em Música, obedecerão os mínimos previstos para cada habilitação e serão realizados pelos alunos em instituições ligadas à habilitação correspondente com a orientação e modelos determinados pela Escola.

 

Musicalização

Direcionado para crianças entre 5 e 6 anos, o curso de Musicalização que tem duração, no máximo de 2 anos, trabalha os princípios básicos da música por meio de vivências e jogos musicais. Tem por objetivo geral despertar o prazer de ouvir e fazer música de boa qualidade.

Iniciação Musical

Direcionado para crianças de 7 a 11 anos, o curso de Iniciação Musical tem por objetivo trabalhar a alfabetização musical por meio de aulas teóricas e práticas. Nas aulas práticas, os alunos de Canto Coral desenvolvem repertório do cancioneiro infantil e folclórico brasileiro, trabalhando postura e afinação vocal. Nas aulas de Prática Orquestral são trabalhados princípios instrumentais, com repertório diversificado.

Básico e Introdução Musical

Para alunos com 12 anos ou mais, que não possuem conhecimento musical. São trabalhados os princípios musicais por meio de aulas teóricas e vivências. Tem duração de 1 semestre.
Observação: É necessário que o aluno faça a inscrição para ingressar no curso

Formação Musical

A partir dos 12 anos, destinado a interessados que tenham pouco ou nenhum conhecimento musical. O desenvolvimento se dá por meio de aulas de Percepção, Rítmica, Canto Coral, Estruturação/Harmonia e Apreciação Musical. O curso de Formação Musical é um curso livre que tem duração de 6 semestres. Após a conclusão deste, o aluno interessado pela profissionalização têm a opção de ingresso no curso Profissionalizante

Profissionalizante

Técnico em Música e Técnico em Canto 
Pré-requisito: ter concluído o Ensino Fundamental ou estar cursando o Ensino Médio; realizar recital com programa mínimo determinado pela escola; ser aprovado em todas as disciplinas no Nível VI do curso livre ou ser aprovado em teste classificatório realizado pela escola de música da Fundação das Artes.
Duração: 4 semestres (Profissionalizante I ao IV) 
Cursos de instrumento oferecidos pela Escola: bateria/percussão, canto, clarineta, contrabaixo acústico/elétrico, eufônio, fagote, flautas doce e transversal, guitarra, oboé, piano clássico/popular, saxofone, trombone, trompa, trompete, viola, violão clássico/popular, violino, violoncelo.

 

Ale Damasceno
Bateria

Alexandre Biondi
Percussão

Alexandre Brasa  
Violino, Camerata de Cordas

Ana Maria Carvalho Chamorro
Violoncelo

Carmem Borba
Violoncelo

Cássia Paula Bernardino
Estruturação Musical e Percepção Musical
conheça meu currículo

Cesar Henrique Rocha Franco
Apreciação Musical, Contraponto e Harmonia

Clara Bastos
Contrabaixo Elétrico

Cláudia Elena Siste de Assumpção
Piano Clássico

Cláudia Neves Pinto
Canto Lírico

Claudio Tegg
Piano Clássico

Daniel Volpin
Canto Coral, Estruturação Musical, Percepção Musical, Apreciação Musical, Canto Para Ator, regente do Coro de Repertório

Danilo Zangheri
Apreciação Musical, Percepção Musical, Rítmica e Contrabaixo acústico

Deusenil Santos
Trompa e grupo de Trompas

Dinho Gebara Junior
Bateria, Grupo de Percussão

Dorothéia Elke Gruber
Violino, Camerata de Cordas

Fábio Ramazzina
Violão Clássico e Quarteto de Violões

Fernanda Pairol
Flauta Transversal

Fernando Llanos
Música Popular, Percepção Musical, Canto Coral e Violão Popular

Flavia Figueira
Piano Clássico, Rítmica

Geraldo Olivieri Junior
Viola, regente da Orquestra Jovem

Gesiel Villarubia
Apreciação, Análise Musical e Violão erudito

Gerson Frutuoso
Contrabaixo Acústico

Guilherme Oliveira
Apreciação, Canto Coral e História da Música

Jorge Ervolino
Guitarra

José Ivo da Silva
Clarineta, Grupo de Clarinetas

Lisbeth Soares
Musicalização, Apoio Pedagógico
conheça meu currículo

Marcelo Francisco José
Guitarra

Marcelo Gomes
Guitarra

Marcelo Lopes
Trompete

Maria Cecília de Oliveira
Canto e regente do Coro de Repertório

Maria Domitila Padovani Pinto
Piano Clássico, Percepção Musical e Canto Coral

Marília Pini
Viola

Mário Cesar Pereira da Silva
Piano Popular

Mário Checchetto
Saxofone

Marta Roca
Flauta Doce e Rítmica

Maurílio Silva
Estruturação, Flauta Doce e Grupo de Flautas doces

Mary de Macedo Rodrigues
Fagote, Básico Introdução, Canto Coral

Milena Miotto
Flauta Transversal, Estruturação Musical, Rítmica e Prática Musical
conheça meu currículo

Nelton Essi
Bateria

Nikolay Alipiev Genov
Trompa e grupo de Trompas

Ogair Rosa da Silva Junior
Piano Popular, Combos e regente da Big Band
conheça meu currículo

Paola Picherzky
Violão, Orquestra de Violões

Raquel Gonçalves
Oboé, Estruturação Musical

Roberto Rivelino de Carvalho
Contrabaixo Elétrico

Rodrigo Braga
Piano Popular, Combos

Rosimary Parra Gomes
Violão Clássico, Música de Câmara
conheça meu currículo

Samanta Okuyama
Estruturação e Violão Popular

Sérgio Carvalho
Violino      

Solange Assumpção
Estruturação Musical
conheça meu currículo

Tatiane dos Santos
Flauta Transversal, grupo de Flautas

Ulisses de Castro
Piano Clássico, Música de Câmara

Valdir Ferreira
Trombone, grupo de Trombones
conheça meu currículo

Vanessa Nonis
Percepção e Piano erudito

Viviane Louro
Rítmica, Apoio Pedagógico
conheça meu currículo

Wagner Felix
Trompete

Yara Scaglia
Musicalização, Básico Introdução, Prática Musical

Zeito Orestes
Saxofone e Rítmica

 

Big Band
Um dos mais antigos grupos em atividade na escola, a Big Band da FASCS passou pela formação de inúmeros músicos profissionais. O grupo é formado por sopros (flautas, clarinetas, saxofones, trompetes e trombones) e "cozinha" (piano, guitarra, baixo, bateria e percussão). Momentos importantes do grupo contaram com a participação de convidados do porte de Roberto Sion e Nelson Ayres. A Big Band é constituída por 20 músicos e tem repertório constituído por clássicos do jazz para esse tipo de formação musical e arranjos inéditos da música  brasileira. O objetivo desse organismo é desenvolver a música de câmara popular no qual os alunos tem a oportunidade de tocar em grupo e iniciarem-se no universo da improvisação.

Cameratas de Cordas
São oferecidas aos alunos de violino, viola, violoncelo e contrabaixo como atividade prática obrigatória. Atualmente a escola conta com três grupos (iniciante, médio e adiantado). Os alunos trabalham aspectos técnicos como afinação, sincronia de arcos e articulações, sonoridade etc., e desenvolvem a musicalidade e a interpretação adequada através da abordagem de repertório específico para o nível técnico de cada camerata.

Combos
O combo é uma prática em conjunto destinada a desenvolver a linguagem da música popular. Nesta atividade são formados pequenos grupos instrumentais (trios a quintetos) que vão interpretar o repertório da música brasileira e do jazz. São trabalhados os seguintes aspectos: análise formal e harmônica, criação de arranjo, improviso e consciência da função de cada instrumento no grupo. 

Coro de Repertório
Criado a partir da ampliação do antigo Coral da FASCS, que em maio de 2010, tornou-se um coro de grande porte, com intuito de realizar o repertório sinfônico-coral; sendo desmembrado em três coros distintos entre si, de médio porte, para realização de repertório vocal, a capella e/ou com acompanhamento, conforme as características peculiares atribuídas a cada um desses três coros. 
O atual Coro de Repertório é, acima de tudo, uma proposta de pesquisa e estudo prático da diversidade de Repertório de Música Vocal. Além de promover a integração de docentes e discentes das quatro escolas, tem por finalidade desenvolver, estimular, dinamizar e atender às diversas necessidades artísticas e pedagógicas dentro da Instituição, estendendo-as para toda a comunidade. 
Em sua atual divisão, os ensaios semanais cobrem principalmente (mas, não exclusivamente) o seguinte repertório: 
O Coro I – Música Folclórica e Popular (nacional e estrangeira). 
O Coro II – Negro Spiritual e a Renascença. 
O Coro III – Música Sacra, Ópera e Música Brasileira. 
Há um repertório em comum para os três coros, o qual consiste, pelo menos, de uma obra sinfônico-coral. Dessa forma, os três coros atuam, ora distintamente, ora conjuntamente, de acordo com a programação previamente planejada entre seus regentes.

Grupo de Clarinetas
Atividade da qual participam alunos e ex-alunos de clarineta da escola. A formação do grupo pode variar (trio, quarteto, quinteto), permitindo uma adequação do repertório ao fluxo de alunos em condições técnicas para a participação em cada semestre. Esta prática objetiva o aprimoramento técnico e o desenvolvimento do "fazer música" em conjunto, contribuindo inclusive para a integração dos alunos.

Grupo de Flautas
Esta prática iniciou-se em 2000 com o objetivo de aplicar, diante de um repertório específico para esta formação, recursos técnicos estudados em aula tais como timbres, afinação, dinâmicas, articulações entre tantos outros e ainda para o desenvolvimento da musicalidade e prática musical em conjunto. Já foram executadas obras eruditas bem como obras do repertório popular brasileiro. 
O trabalho, em 2010, ganha destaque. O grupo, batizado de Bem Bolado por seus integrantes, uniu-se ao grupo cênico Trupe do Trapo, para atuarem no show-cênico de música popular brasileira Retalhos Sonoros.

Grupos de Flautas Doce
A FASCS destaca-se por ser uma das poucas escolas de música do país que mantém grupos de flautas doce há pelo menos 30 anos. Trata-se de uma atividade que proporciona aos alunos de flauta doce um primeiro contato com a prática de grupo de seu instrumento. Nesta prática os alunos desenvolvem o repertório específico para a formação ou arranjos, muitos deles escritos especialmente para os grupos, além de desenvolverem a técnica instrumental e a leitura musical. Ao longo de sua história a escola abrigou vários grupos, quartetos em sua maioria, e obteve grandes resultados em concursos e apresentações.

Grupos de Música de Câmara e de Prática de Música Antiga
A disciplina Música de Câmara é destinada aos alunos de canto, piano, violão, flauta doce e instrumentos de orquestra. O destaque da Prática de Música Antiga é que ela tem seu foco, prioritariamente, em composições renascentistas e barrocas. Nesses cursos os alunos são agrupados em pequenas formações camerísticas e são instruídos sobre as etapas de preparação de um repertório previamente selecionado, envolvendo conhecimentos nas áreas técnico-instrumentais, histórica, estilística e social. A preparação das apresentações vai além da formação musical, pois não só os alunos recebem orientações relacionadas à postura e movimentação em palco, como desfrutam de uma infraestrutura que vai desde a iluminação planejada até o tratamento cênico, especialmente nos números dos cantores. As apresentações de música de câmara são muito concorridas e apreciadas pelos alunos e pela comunidade, consequência do sério trabalho realizado.

Grupo de Percussão
Esta tradicional atividade oferecida pela escola tem como principal objetivo proporcionar aos alunos de percussão e bateria uma prática em que possam desenvolver o conteúdo estudado nas aulas. Ao longo do tempo o grupo passou por diversas formações, contribuindo significativamente para a profissionalização de vários percussionistas. No grupo são trabalhadas a precisão rítmica na simultaneidade de instrumentos e a interação, tanto musical quanto social, de seus integrantes.

Grupo de Trombones
O Grupo de Trombones é um grupo formado em 2013 que conta com alunos e ex-alunos de trombone. São trabalhados arranjos para a formação, com o objetivo de desenvolver a prática musical em grupo, indispensável para a formação de um bom músico, principalmente para instrumentistas de metal.

Grupo de Trompas
Os grupos de Trompas da FASCS são grupos criados em 2012 com o intuito de possibilitar a prática coletiva desse instrumento, indispensável para a formação do trompista. Esta prática é uma oportunidade para o músico trabalhar afinação, coesão, dinâmica e repertório, preparando o músico para o posterior ingresso em uma orquestra.

Orquestra Jovem da FASCS
Essa prática é fundamental para o instrumentista de orquestra que visa à profissionalização, é tratada na escola com um enfoque totalmente didático, tanto na escolha do repertório quanto no trabalho técnico de coesão, concepção de sonoridade e equilíbrio. São poucas as escolas de música que podem ofertar a seus alunos uma prática como esta, pois é necessário oferecer cursos de instrumentos pouco conhecidos e estudados, como oboé, fagote e viola, e ter infraestrutura para os ensaios e apresentações, o que torna esta atividade ainda mais especial.

Quarteto de Violões
Trata-se de uma atividade camerística bastante refinada, dirigida aos alunos adiantados de violão. O repertório desenvolvido, original ou arranjado para a formação, exige dos alunos domínio do instrumento e experiência musical. A dedicação dos integrantes, aliada à competente orientação, tornou possível ao grupo atingir um nível musical e de performance tal que fez com que as intenções, inicialmente didáticas, naturalmente se tornassem profissionais. O Quarteto conquistou o 1º lugar no XIII Concurso Nacional de Violão Souza Lima (2002) e o 2º lugar no XX Concurso Nacional Cidade de Araçatuba.

Orquestra de Violões
Essa prática é fundamental para o instrumentista que visa à profissionalização, e é tratada na escola com um enfoque totalmente didático, tanto na escolha do repertório quanto no trabalho técnico de coesão, concepção de sonoridade e equilíbrio. São poucas as escolas de música que podem ofertar a seus alunos uma prática como esta. O repertório é constituído, basicamente, de peças clássicas, sem deixar de trabalhar, também, a música popular.

 

PAPI (Programa de Apoio Pedagógico à Inclusão)
O Programa de Apoio Pedagógico à Inclusão (PAPI) é desenvolvido nesta instituição desde 2007, tendo por pressuposto uma escola para todos, desenvolvendo ações pedagógicas que visam o acesso à cultura e às linguagens artísticas. Neste sentido, visa favorecer o aprendizado de alunos com deficiência ou em condições diferenciadas de aprendizagem, de acordo com a estrutura e as normas dos cursos oferecidos, estando baseado também na legislação educacional vigente. Dentre as ações do Programa constam: aulas de apoio pedagógico em horário extracurricular; monitoria em sala de aula; materiais adaptados; adaptações de avaliações e repertório musical, grupos de estudos, dentre outras. Tais ações são oferecidas e implementadas de acordo com as necessidades e potencialidades de cada aluno, tendo em vista avanços no aprendizado. O PAPI é coordenado pelas professoras Lisbeth Soares e Viviane Louro, sendo desenvolvido em parceria com os professores da Fundação das Artes.

Plantão de dúvidas
Os plantões de dúvidas são aulas de reforço para alunos com dúvidas ou dificuldades em matérias teóricas do curso de Formação Musical. O plantão de dúvidas foi concebido e implantando em 2005, após inúmeras constatações de que há muitos alunos que têm várias dificuldades no processo de aprendizagem, especificamente com o desenvolvimento de uma metodologia individual para estudo – ou seja, muitas vezes o aluno não consegue se desenvolver adequadamente por não saber como deve estudar. O Plantão de Dúvidas atualmente atende os alunos dos níveis 1 a 4 da Formação Musical, com horários específicos para as disciplinas Rítmica, Percepção Musical, Estruturação e Apreciação Musical.

Aulas de FBI (Fundamentos básicos de instrumento)
Os FBIs são aulas em grupo para instrumentos com procura muito alta, a fim de preparar os alunos para aula individual. Nessa atividade, o professor responsável trabalha aspetos técnicos do instrumento (ou canto) que servem genericamente como base para seu estudo, e que podem ser trabalhados adequadamente em grupos pequenos. Há FBIs de violino, violoncelo, violão, canto lírico e guitarra.